Quatro dicas para aperfeiçoar seu jogo no Tênis




http://blog.ceime.com.br/wp-content/uploads/2012/07/t%C3%AAnis-duplas-feminino-TL-20111021.jpg

Quatro aspectos devem ser analisados e aperfeiçoados no jogo de tênis, a fim de se obter o melhor desempenho: técnico, físico, tático e psicológico. A maioria dos livros sobre tênis dedica quase todo seu conteúdo à parte técnica, e encontramos também muitas obras sobre psicologia dos esportes e sobre preparação física. 


Estes temas, inegavelmente, são muito importantes, principalmente o último, que vem ocupando um lugar primordial no tênis profissional, mas não podemos deixar de lado os elementos estratégicos e táticos envolvidos em uma partida de tênis, sob pena de não conseguirmos aproveitar plenamente as vantagens técnicas, físicas ou psicológicas que possamos ter. Apesar disso, nas diversas publicações que encontramos no mercado, a estratégia é relegada a segundo plano, ocupando poucas páginas entre centenas.

Neste texto, procuramos efetuar um apanhado geral dos conhecimentos sobre este assunto, encontrados dispersos em diversos livros, cursos e publicações sobre tênis, possibilitando que você consiga utilizá-los para melhorar o rendimento de seu jogo, através de um melhor posicionamento na quadra e aproveitamento máximo de cada golpe, colocando-o no ponto da quadra onde vai causar maiores dificuldades para a devolução do adversário, ou maior facilidade para seu próximo golpe. Isto é de suma importância para dar aquele "algo mais" que faltava para o seu jogo.

1 - O saque: Procure sacar de um ponto próximo à linha central da quadra. Seu primeiro saque deve entrar pelo menos em sessenta por cento das vezes. Caso não esteja atingindo este percentual, diminua a potência e aumente os efeitos até conseguir, e vá aumentando a potência gradualmente. Deve-se colocar o saque o mais próximo possível da linha de saque (profundidade), visando os ângulos da quadra, e explorando mais freqüentemente o lado fraco do oponente. Eventualmente, sacar em cima do corpo dele.

2 - O saque e voleio: Efetue o saque naturalmente, sem apressá-lo, com ¾ da velocidade máxima, utilizando efeito slice ou top-spin (um saque com mais efeito aumenta o controle e o tempo disponível para a subida à rede, permitindo uma melhor colocação para o primeiro voleio do que um saque chapado, mais veloz), e siga na mesma direção da bola, o que lhe possibilitará fechar a passada paralela (caso você tenha sacado aberto), ou fechar o centro da quadra (caso o saque tenha sido lançado para o meio).
O fundamental é estar preparado para o voleio (parado, na ponta dos pés e com os joelhos levemente dobrados), em posição de preparação para fazer o split step (um pequeno salto que deve ser dado para frente) no momento em que seu adversário for responder o seu saque, a fim de colocar o corpo em movimento, facilitando a chegada na bola para volear. Apesar da importância dessa posição para um voleio efetivo, muita gente se esquece disso, na pressa de subir à rede, e chegar o mais próximo dela possível: assim, ainda estão correndo quando o adversário bate na bola, não tendo estabilidade nos pés e no corpo para poder alcançar as passadas que são jogadas um pouco mais distantes.

A proximidade à rede é conseguida através da subida em dois estágios. No primeiro estágio, ao parar para preparar o voleio, quando seu adversário for responder seu serviço, você vai estar próximo à linha de saque, ou seja, você não estará próximo da rede o suficiente para matar o ponto neste primeiro voleio, a não ser que seja um exímio voleador.

Dirija, então, um voleio de aproximação profundo, adiantando-se alguns passos na mesma direção em que você lançou a bola (ou seja, "siga atrás da bola"), e procure chegar mais próximo da rede (em torno de três metros), a fim de cobrir melhor a possível passada do adversário, e alcançar o melhor ângulo para o seu segundo voleio, profundo ou deixado, aquele que deve definir o ponto. Preste muita atenção a um possível lob lançado por seu adversário, caso ele tenha tempo para fazê-lo.


3 - A devolução de saque: Posicione-se para a devolução a um palmo da linha lateral de simples, e a meio metro atrás da linha de fundo. Caso a potência do saque esteja dificultando sua devolução, afaste-se da linha de base até encontrar uma posição confortável para a devolução. Caso o efeito dado pelo adversário esteja lhe causando dificuldades nas devoluções, tente entrar mais um pouco na quadra para devolvê-lo.

Quanto mais próximo do quique este saque for respondido, menos efeito ele terá, facilitando a devolução. Se o adversário estiver no fundo, devolva a bola funda, no meio da quadra ou, se a velocidade do saque o permitir, colocada. Se ele subir à rede, procure jogá-la aos seus pés, obrigando-o a devolvê-la de bate-pronto ou em um voleio defensivo, o que lhe permitirá maiores chances de passá-lo na seqüência. A devolução paralela, neste caso, é a mais ofensiva, mas é mais difícil de ser executada, e é recomendada para os saques mais lentos e com menos efeito. Lembre que, caso o adversário consiga volear sua devolução paralela, você terá deixado toda a quadra à sua disposição para o segundo voleio.

Para os saques mais velozes, colocados ou com mais efeito, pode-se tentar a devolução cruzada, que deve ser efetuada com maior efeito top-spin para que atinja os limites da quadra. È uma jogada que favorece a defesa, pois você já estará aproximadamente no meio do caminho entre os possíveis pontos da quadra em que seu oponente poderá lançar o seu voleio, aumentando suas chances de alcançá-lo, e ainda lhe permitirá efetuar a chamada "passada em dois tempos": tirar o oponente do centro da quadra com uma passada cruzada e definir o ponto com uma passada na quadra aberta, do lado oposto.

4 - Golpes de fundo: procurar fazer golpes profundos, próximos à linha de fundo, evitando que a bola quique dentro da área de saque. Efetuando golpes cruzados, conseguimos maior segurança nas batidas, já que a rede é mais baixa no centro (0,914 m) do que nas laterais (1,07 m), e a quadra na diagonal mede 25,15 m, enquanto na paralela mede 23,77 m. Você ganha, portanto, mais 0,156 m na altura e 1,37 m na profundidade, ao lançar golpes cruzados. Além disso, ao cruzar a bola você estará mais próximo do ponto central, aquele ponto onde deve esperar a devolução (posição levemente oposta ao ponto em que a bola tocará o solo na quadra de seu adversário, ou seja, se você colocar uma bola no lado direito do seu oponente, você deve esperar a devolução um passo para o lado direito de sua quadra, pois é onde você está a meio caminho das possíveis devoluções de seu oponente - paralelas ou cruzadas).

Os golpes paralelos devem ser desferidos quando você estiver dentro da quadra, em posição confortável para atacar, ou quando pretender mudar o ritmo da troca de bolas. Ao devolver um golpe em desequilíbrio, e ficando seu adversário no fundo da quadra, procure bater uma bola lenta, cruzada e funda, que lhe dará condições de recuperar-se taticamente na quadra. Se ele vier à rede, devolva baixo e cruzado. Não procure devolver estas bolas difíceis com maior força ainda, pois a bola voltará rapidamente, e você não terá tempo para se posicionar adequadamente na quadra, a não ser que consiga um winner, ou quase.



Comente: