Utilize o minivoleibol para ensinar o Voleibol






Um dos recursos mais utilizados para o ensinamento do Voleibol é o minivolei. Não preciso nem falar que o voleibol e um dos esportes mais praticados em todo mundo (não só no Brasil) e o ensino dele está cada vez mais difundido. Mas antes de falar porque o minivoleibol é uma grande opção para iniciar uma criança o voleibol, vamos saber um pouco mais sobre essa modalidade.

O mini-voleibol é um método simples e adaptado às necessidades das crianças de 08 a 14 anos, para a aprendizagem do voleibol. A idade de 8 a 12 anos é a melhor idade para aprender, fase em que a criança consegue exercer domínio sobre seu corpo, possuindo um interesse muito grande em aprender e fazer, em buscar o novo. Ele é um jogo pré-esportivo que visa desenvolver os fundamentos técnicos do voleibol através de jogos. Por isso trata-se de uma importante ferramenta para o aprendizado do voleibol em ambiente escolar.

O mini voleibol é dividido em 4 ou 5 fases, em que cada uma delas apresenta uma habilidade específica do voleibol que deve ser bem trabalhada para se passar à fase seguinte. Puxei daqui a melhor explicação para cada fase do minivolei. Dá uma lida no link que é um bom texto.

Vamos falar agora das fases:

Base para o mini-vôlei - 1x1

Nesta fase a criança familiariza-se com a bola, a quadra, a rede, ensinando as posturas básicas e movimentação na quadra; segurando, arremessando, lançando e rolando diferentes tipos de bolas (plástico, borracha, futebol, vôlei, futebol, etc.), praticando diferentes tipos de pequenos jogos para desenvolver qualidades físicas como velocidade, agilidade, força e reação.

Nesta etapa o jogo é preferencialmente 1x1. A bola deve ser apanhada e arremessada por sobre a rede. "Bola sobre a rede" é o jogo ou exercício mais importante para a introdução do voleibol. É melhor realizar estes jogos introdutórios com uma bola de basquete ou medicine ball mais leve, porque são maiores e mais pesadas do que a bola oficial.


Introdução ao mini-vôlei - 2x2

Passada a fase de domínio da bola, a criança já pode começar a preparar-se para o toque, a manchete e o saque por baixo, permitindo um jogo de voleibol simples: 2x2. O principal objetivo é atacar e lançar a bola sobre a rede (GOTSCH, 1983). São ensinados os princípios de formação inicial, movimentos de acordo com as situações de jogo, cooperação com o colega, observação do oponente e posicionamento na quadra, bem como contínuo desenvolvimento de preparação física básica, através de movimentos rápidos na direção da bola, saltos e deslocamentos de diferentes formas.


Jogo básico de mini-vôlei - 3x3 sem regras

O objetivo do trabalho nesta fase é a aquisição dos gestos técnicos básicos: toque, manchete, saque por baixo, ataque em toque, bem como, estimular situações que são exigidas no voleibol. Buscar a melhora da manchete para a recepção do saque e para uma possível situação de defesa. Na preparação física, introdução dos saltos com corda, velocidade de reação, agilidade e flexibilidade, para favorecer o processo de aprendizagem do ataque e do bloqueio (SANTOS, 1999). Nesta fase o jogo já pode ser 3x3, atacando e lançando a bola, mas sem se preocupar com as regras, o senso de coletividade é a principal meta.


Baby-voleibol - 3x3 com regras

Nesta fase introduz-se o ataque sem salto e o ataque com salto. Ensinam-se diferentes variações de ataque e melhora de levantamento e das habilidades de defesa com queda, com contínua preparação física, com desenvolvimento da resistência.

Devem-se fazer exercícios especiais para o treino da recepção, passe, ataque e saque por baixo, assim como para o descolamento e salto, receber e arremessar. Neste estágio, o jogo é 3x3 com a utilização das regras adaptadas ao mini-vôlei.


Mini-voleibol - 4x4

Introdução do bloqueio e da defesa, melhora dos fundamentos e habilidades técnicas e táticas. Aperfeiçoamento em todos os fundamentos, novas variações. Na preparação física, continuação da preparação física geral e o aperfeiçoamento de todas as habilidades relativas aos fundamentos.

Devem-se fazer exercícios básicos de tática, como passe e primeiro ataque; passe, recuperação da bola e contra-ataque; cobertura das jogadas e dos espaços vazios; jogos-treino 4x4 em quadras de dimensões menores e regras adaptadas. Após esta etapa tem-se então o jogo normal 6x6.

Como podemos perceber, cada fase que o aluno passa é feito com aprendizado de fundamentos, o que vai determinar o ensino do Voleibol na Escola.

Os benefícios do uso da prática do minivoleibol são inúmeros. Além da crianças aprender na própria quadra, ela tem contato com aspectos técnicos, táticos e físicos do esporte. Dependendo da metodologia aplicada do professor para cada fase do minivolei falada acima, pode-se acelerar o aprendizado do esporte.

Para formular essa metodologia, o professor deve estar atento a alguns aspectos. O link que indiquei acima mostra um exemplo de metodologia, que pode ser mudada de acordo com as necessidades da turma/escola. Porém, saber todos os aspectos sobre minivôlei é importante para um melhor aprendizado.

O curso de Minivoleibol em DVD traz os aspectos mais importantes para aplicação desta metodologia. Traz demonstrações em quadra do posicionamento das crianças e como trabalhar cada fundamento de maneira adequada. É uma ótima pedida para o professor que queira trabalhar o minivoleibol para o ensino do volei.

Aproveite a oferta exclusiva deste post. O frete e grátis!





Comente: